07/06/2022
Atualizada: 07/06/2022 13:50:05

Fotos: Karina Dantas/Ascom Adufal

Uma audiência pública na Assembleia Legislativa de Alagoas (ALE-AL) foi realizada na tarde desta segunda-feira (6) para debater, sobretudo, o corte orçamentário na educação, na ciência e tecnologia.

A Diretoria e a base docente da Associação dos Docentes da Universidade Federal de Alagoas (Adufal) estiveram presentes no plenário da ALE para acompanhar a discussão de extrema importância para a educação brasileira.

A audiência pública foi uma solicitação feita pela Adufal e acolhida pelo deputado estadual Ronaldo Medeiros (PT), que presidiu a sessão.

Diversas falas foram feitas denunciando os desmonte da educação pública e os efeitos nefastos da PEC 32 para as instituições federais. O presidente da Adufal, Jailton, fez uma fala criticando os ataques do governo Bolsonaro à educação pública.

“Sempre que é colocado em pauta a possibilidade de cobrança nas instituições de ensino superior é porque isso parte do pressuposto de que a juventude que frequenta a universidade é de classe média ou classe média alta, portanto pode pagar mensalidade. Mas os dados da própria Andifes, anterior à pandemia, dizem justamente ao contrário. Nas universidades públicas, nós temos cerca de 50% das pessoas que recebem até um salário mínimo, (...) 60% vêm de escolas públicas, 35% trabalham e 53% utilizam o transporte público coletivo para chegar na Universidade. Ou seja, é um governo que tem um projeto contra a classe trabalhadora e o acesso dessa classe trabalhadora à universidade pública.”

O professor do Centro de Educação da Ufal também frisou a importância de ir para a rua e protestar contra o governo Bolsonaro.

“Não basta só a movimentação em redes sociais como bem frisou o deputado Ronaldo Medeiros. Nós temos que ir para a rua, ocupar a praça pública para poder mostrar à sociedade a nossa indignação. Nós temos no dia nove um grande ato estudantil sendo organizado em todo o Brasil contra esse governo genocida. Nós temos no dia 10 uma paralisação prevista nas universidades federais. Portanto, o momento agora é de mobilização. E apesar de todo retrocesso que estamos presenciando, felizmente os indicadores e as pesquisas de opinião pública mostram que o horizonte se apresenta um pouco mais esperançoso”, disse Jailton Lira, em sua fala.

Lideranças populares foram à Assembleia Legislativa e usaram a tribuna livre para reivindicar políticas públicas, visto que os recursos em todos os setores têm sido cortados devido à Emenda Constitucional 95/16. Em várias falas foram mencionados os problemas que a PEC 32 pode causar, retirando os Direitos da população.

“Não foi outra coisa senão a luta dos servidores e servidoras federais, durante uma intensa jornada em Brasília, fazendo atos nos aeroportos, nos gabinetes, dialogando com cada deputado federal, que garantiu que a PEC 32 não fosse aprovada ainda no ano passado. (...) A sociedade está de olho e não aceita o retrocesso e os ataques aos seus direitos”, disse Yuri Buarque, presidente do Sintietfal.

Compuseram a mesa o deputado estadual Ronaldo Medeiros (PT), o presidente da Adufal, Jailton Lira, a vice-presidenta da Adufal, Sandra Lira, o presidente do Sintietfal, Yuri Buarque, o diretor do Sintufal, Paulo De Albuquerque, a coordenadora-geral do DCE-Ufal Quilombo dos Palmares, Thatiana Machado, o presidente da Fapeal, Fábio Guedes, o reitor da Uneal, Odilon Máximo, a vice-reitora da Uncisal, Ilka Soares, e o pró-reitor Estudantil da Ufal, Alexandre Lima.

A audiência pública pode ser conferida na íntegra pela Youtube da Assembleia Legislativa de Alagoas. Clique aqui e assista. 

Fonte: Karina Dantas/Ascom Adufal

2022

Adufal - Associação dos Docentes da Universidade Federal de Alagoas

Acesso Webmail